segunda-feira, 7 de outubro de 2013

O Orgulho Não É Uma Virtude.

Atendendo o convite do caríssimo Jordão, posto aqui algumas reflexões que fiz esses dias. Tenham cuidado com o orgulho.

O orgulho não é uma virtude. Há quem prefira ser orgulhoso a ser feliz. Essas pessoas perdem o ponto que há em ter orgulho de algo.


A meu ver, o sentido de ter orgulho de algo na sua vida é não permitir sentir-se envergonhado por quem você é ou pelas escolhas que fez. Você pode ter orgulho da sua sexualidade, da sua nacionalidade, das suas escolhas de carreira ou pessoas com quem convive. Isso é importante para que você jamais se deixe ser humilhado por alguém por causa desses fatores. As pessoas vão tentar fazer com que você se sinta envergonhado por uma série de coisas que você não deveria se envergonhar, não tem razão nenhuma de ter vergonha. É para isso que o orgulho serve: para impedir que você se sinta envergonhado.

Agora, quando o mesmo orgulho te impede de tomar certas atitudes que poderiam te fazer feliz, o propósito dele torna-se corrompido. O orgulho que deveria te proteger contra a vergonha das escolhas que fez faz com que você se sinta envergonhado agora de tomar outras atitudes. Isso é errado. Esse orgulho é um orgulho vazio. Ele não está verdadeiramente te impedindo de sentir vergonha de escolhas na sua vida; ele está te impedindo de tomar as escolhas certas - escolhas essas que você provavelmente deveria ter orgulho.

E há tantas pessoas orgulhosas nesse mundo, paralisadas por seus egos. Por estarem tão presas a noção de si mesmas que o seu orgulho construiu, elas tornam-se incapazes de tomarem atitudes que fujam aos padrões de quem elas enxergam-se ser e, com isso, tornarem-se pessoas diferentes, melhores. Elas ficam presas dentro da própria armadura que construíram, tão rígida, tão pesada que agora limita os seus movimentos. O orgulho não as protege mais do que as confina. Presas dentro da armadura do orgulho, elas não tem mais espaço para crescer.

E atrapalhar o seu crescimento não é a característica de uma virtude, mas sim de um vício. É por isso que o orgulho não é uma virtude.